O Caminho para a Distância (The Path to the Distance) | Vinicius de Moraes

backBooks of Poetry

O Caminho para a Distância (The Path to the Distance)

Rio de Janeiro, Schmidt Editora, 1933

Vinicius de Moraes’s first book  already had in the title the dramatic aspect that crossed his youthfulness poetry. With a strong interest in the ideas of Catholic intellectuals and the metaphysical of Rio de Janeiro that time, the poet invests in long verses about turbulences of his soul and inner spiritual conflicts that set the tone of the group. Otavio de Faria, América Jacobina Lacombe, Augusto Frederico Schmidt and Lucio Cardoso were some of the names who took part in the young Vinicius’s life and intellectual orientations.

With the first poem published in 1932, in the Catholic magazine “A Ordem” (The Order) led by Alceu Amoroso Lima, the career as a poet of the young college student at the Law School of Catete was sealed, although it was still a not intense one. His almost complete filiation to the Catholic themes turns his debut a sketch still far from what, at the very next book, in 1935, already indicates a poet in motion. His verses run slowly towards broader topics than the Catholic issue. In this book, we still read a poet who looks at the world through faith, never losing, however, the troubled point of view of the soul.

Bibliographical Note

Na Poesia completa e Prosa editada pela Nova Aguilar (1ª ed. 1968; 2ª ed. 1974), este livro - o primeiro de Vinicius de Moraes - aparece agrupado com os dois seguintes (Forma e exegese e Ariana, a mulher), sob um título (denominado "epífrafe") único: O sentimento do sublime. O responsável por tal organização foi o professor e crítico Afrânio Coutinho (1911-2000), com a concordância de Vinicius de Moraes. Neste site, o usuário pode acessar os livros pelos seus títulos originais - conforme as edições anteriores à reunião em volume pela Nova Aguilar - ou pela nomeação adotada nesta última.

O volume traz o seguinte texto introdutório:
Este livro é o meu primeiro livro. Desnecessário dizer aqui o que ele significa para mim como coisa minha — creio mesmo que um prefácio não o comportaria normalmente.
São cerca de quarenta poemas intimamente ligados num só movimento, vivendo e pulsando juntos, isolando-se no ritmo e prolongando-se na continuidade, sem que nada possa contar em separado. Há um todo comum indivisível.
Seus defeitos de ideia são os meus defeitos de formação. Seus defeitos de construção são os meus defeitos de realizador. Eu o dou tal como o fiz, com todos os arranhões que lhe notei na fixação inicial, virgem de remodelações, na mesma seiva em que sempre viveu.
Ofereço-o aos meus amigos.
V.M. Rio, 1933